Tempo para mim

time for me concept clock closeuplevantar cedo e pensar “só mais 5 minutos”. afinal foram mais 10. acordar os miúdos. “mãe, mais 5 minutos”. depois a birra. “não quero calções, vou ter calor”. a correria para sair de casa, “meninos, despachem-se”. regressar a casa. ao silêncio. ter duas horas só para mim e escolher não fazer nada. tomar um café e ir às gravações automáticas rever a série que ontem deixei a meio porque adormeci. depois olhar pela janela, por em ordem os pensamentos, e ir trabalhar. há manhã assim, que de tão tranquilas nos deixam o dia todo em modo zen. porque estar a sós comigo sabe muito bem.

livro

imagenunca teria escolhido este livro se não tivesse sido aconselhado num grupo de leitura. o título não me despertaria a atenção. o autor só publicou este livro, pelo que me é totalmente desconhecido. mas li-o. e ainda bem. teria perdido um livro fantástico se não o tivesse lido. e marcou-me. muito.  marcou-me pela realidade da história ( o holocausto nazi aconteceu mesmo, por mais incrível que possa parecer), pela forma dura mas ao mesmo tempo com algo de poético com que a história é narrada. tive de conter algumas lágrimas. outras não consegui controlar e deixei-as correr, porque chorar faz bem. como é dito no livro, a humanidade ainda não inventou palavras para descrever o que foi o holocausto.

Do tempo

q4gtq4gq4tg

corre numa velocidade vertiginosa. não passa, faz-nos passar a vida a correr. não há tempo. não temos tempo. não aproveitamos o nosso tempo. não controlamos o tempo. mas ele controla-nos a nós.